Visitar o Porto

Por toda a Cidade do Porto, poderá vislumbrar o fervor religioso dos portuenses, as igrejas e capelas, a Sé e os antigos conventos.

Descrevemos aqui alguns dos mais marcantes e importantes:

    Torre dos Clérigos

    Para muitos o ex-libris da Cidade do Porto. Esta Torre foi construída a pedido da irmandade dos Clérigos pobres, entre 1754 e 1763, a partir de um projecto do arquitecto Italiano, Nicolau Nasoni.

    Este exemplar de Arquitectura Barroca, tem seis andares e 76 metros de altura, sendo o acesso ao topo efectuado por uma escada em espiral com 225 degraus. Nos finais do século XVIII era o edifício mais alto de Portugal. O projecto inicial previa duas torres e não apenas uma. Nicolau Nasoni está enterrado nesta igreja à qual dedicou o seu tempo e empenho.

    Sé Catedral do Porto

    A Sé do Porto é um edifício de estrutura românica, dos séculos XII e XIII, tendo sofrido grandes remodelações no período barroco.

    No exterior, conserva ainda o aspecto de uma igreja fortaleza, com ameias. Da Sé fazem parte as imagens da Nossa Senhora da Vandoma do século XIV, o altar de prata, importante claustro gótico, o claustro velho, a capela de S. Vicente, uma escadaria nobre que dá acesso ao pátio superior do claustro gótico, a "casa do cabido", onde estão expostas notáveis esculturas religiosas.

    É de salientar o Tesouro da Sé, constituído por 150 alfaias do culto, paramentos, pratas e livros litúrgicos dos séculos XV a XIX.

    A partir da Sé Catedral do Porto, pode disfrutar de uma vista sobranceira sobre o Porto, o Rio Douro e Gaia. Desde a Sé Catedral e Palácio Episcopal desça até à Estação de São Bento, com painéis de azulejos alusivos à história de Portugal, da autoria de Jorge Colaço, siga em direcção ao Rio até à Ribeira.

    Igreja de São Francisco

    A Igreja de S. Francisco é um dos poucos edifícios medievais que a Cidade do Porto ainda conserva, sendo a única igreja gótica. Fazia parte de um convento franciscano, e a sua construção estendeu-se por finais do século XIV inícios do seguinte. No século XVI constrói-se a capela dos Carneiros, ou do Baptismo de Cristo, mandada fazer por João Carneiro e da autoria de Diogo de Castilho, no século seguinte constrói-se novo portal principal, já de composição barroca.

    Nos séculos XVII e XVIII o seu interior é totalmente revestido de talha, formando-se uma espécie de caixa de ouro, um dos mais belos interiores barrocos do país. Embora o trabalho de talha não apresente coerência estilística, a grande qualidade que apresenta, fruto das melhores oficinas portuenses, forma um repositório que permite observar a sua evolução, constituindo-se verdadeiro museu de talha dourada da cidade.

    Casa do Infante

    Edifício histórico da Cidade do Porto, situado no coração da Ribeira, foi inicialmente D. Afonso IV que decidiu promover a construção de um armazém destinado à Alfândega.

    Posteriormente, foi Casa da Moeda, Contadoria da Fazenda, Casa do Selo e Celeiro público. A tradição que relaciona o nascimento do Infante D. Henrique com este local levou ao descerramento de uma lápide sobre a entrada principal, no ano de 1894. A Casa do Infante foi classificada como monumento nacional em 1924.

    Até à primeira metade do século XIX não foram realizadas obras de grande significado, tendo sido na década de 50 do século XX que sofreu um profundo restauro.

    Pesquisas arqueológicas recentes, levaram à descoberta de um importante palácio romano e ao melhor conhecimento dos antigos edifícios da Coroa, desde o século XIV à actualidade. A importância dos achados determinou a criação de um Museu de sítio que funciona a par do Arquivo.

    Palácio da Bolsa

    O Palácio da Bolsa, foi construído em estilo neoclássico na segunda metade do séc. XIX. Situa-se no centro histórico da Cidade do Porto.

    Inicialmente projectado para receber a Bolsa do Porto e transmitir pela sua grandiosidade, uma imagem de credibilidade que fizesse afluir investidores de outros países europeus, é hoje a sede da Associação Comercial do Porto.

    Aqui poderá visitar as antigas salas da Bolsa, a Assembleia Geral, a Sala dos Retratos e o famoso Salão Árabe. No entanto, não deixe de espreitar o jardim na parte de trás. É um dos monumentos mais visitados.

A cidade do Porto foi historicamente de uma enorme riqueza cultural, sendo esse facto comprovado ainda hoje, pelos inúmeros espaços culturais e diferentes programações para diferentes gostos, de museus a salas de espectáculo:

Descrevemos aqui alguns dos mais marcantes e importantes:

    Museu Soares dos Reis

    O então chamado Museu Portuense, foi criado em 1833 por D. Pedro IV.

    Em 1911, o Museu passa a receber o seu nome actual, em homenagem ao escultor Portuense. Está aqui representada, grande parte da obra de Soares dos Reis, sendo O Desterrado, a mais emblemática. Em 1942, o Museu instala-se no Palácio dos Carrancas, onde é criada uma galeria com iluminação zenital. Neste período, o Museu é enriquecido com as Colecções do Museu Municipal, e engloba as Artes Decorativas.

    Em 1992 inicia um projecto de remodelação e expansão concluído em 2001. Um verdadeiro Museu de Arte Clássica, muito bem localizado e importante para se conhecer a Cultura e Arte do Porto, nos séculos passados.

    Desça em direcção ao Rio Douro e apanhe o carro eléctrico para a Foz do Douro.

    Fundação de Serralves

    Esta é constituída no seu conjunto, pela Casa de Serralves, o Museu e o Parque.

    A Fundação de Serralves é uma instituição cultural de âmbito europeu, que procura sensibilizar e interessar o público para a Arte Contemporânea como centro pluridisciplinar, apresentando uma Colecção própria permanente e diversas exposições temporárias temáticas.

    O Parque da Fundação, com o seu património natural vocacionado para a educação ambiental, o centro de reflexão e debate sobre a sociedade contemporânea, são complementados por uma soberba Casa de Chá inserida nos jardins, e que permite uma pausa contemplativa, numa Cidade fervilhante.

    Casa da Música

    Espaço cultural e artístico, reconhecido mundialmente. É um edifício de arquitectura arrojada de design original e marcante, desenhado pelo Arquitecto Rem Koolhaas. Pensado para receber artistas e músicos de todos os estilos musicais, do Jazz ao Fado, da Música Clássica ao Reggae.

    Oferece as grandes produções internacionais e o pequeno projecto experimental, apostando para isso na grande qualidade das infra-estruturas e numa programação dinâmica, inovadora e, sobretudo, de prestígio.

    A Casa da Música assume a dinamização do meio musical e cultural de uma região alargada com epicentro no Porto, apostando numa programação consistente, criando e fidelizando públicos variados e colocando a cidade nos roteiros internacionais da música.

    Mas como música não é só palco, a Casa da Música também chamou a si a responsabilidade pelo trabalho de bastidores, promovendo encontros de músicos e musicólogos, investindo na investigação da música portuguesa e apostando fortemente no seu papel de elemento nuclear na educação musical.

Não poderíamos também deixar de fazer referencia a um dos lugares mais carismáticos do Porto que são as Caves do Vinho do Porto.

    As Caves de Vinho do Porto são o local privilegiado para tomar contacto com esta bebida nacional e toda a sua história. Abertas ao público, oferecem a oportunidade de degustar este precioso néctar, conhecer o seu percurso ao longo dos tempos, a região onde é produzido e a forma como é obtido.

    Partindo da Ribeira, aproveite o tabuleiro inferior da Ponte de Dom Luís, da autoria de Teófilo Sevrig, e a pé ou de carro visite as grandes Casas de Vinho do Porto.

    Aqui poderá descobrir o Vinho do Porto, o vinho generoso mais prestigiado do mundo, um vinho grandioso, de uma riqueza de aroma e concentração únicos, produzido na Região do Douro. A Região do Douro foi demarcada por alvará régio a 10 de Setembro de 1756, sendo a Região vinícola mais antiga do Mundo.

    A História do Vinho do Porto, a forma como este é elaborado, a sua composição, o seu armazenamento, quais as variedades mais vendidas e claro, quais os melhores e mais raros Vintages, são algumas das curiosidades interessantes que poderá descobrir nas dezenas de Caves, estendidas junto à margem do Rio Douro, em Gaia.

    Sugerimos para visita as Caves da Rozès, Sandeman, Ferreira, Croft, Quinta do Noval, Ramos Pinto, Romariz, e Taylor Fladgate e Yeatman.